Acusações de estupro contra Felipe Prior

Publicada pela revista Marie Claire, matéria fala de documentos que oficializam as queixas contra o último eliminado do BBB20

Segue a matéria na íntegra:

Marie Claire teve acesso exclusivo a um documento que acusa formalmente o ex-BBB de violentar mulheres entre os anos de 2014 e 2018. Conversamos com as vítimas e suas advogadas, que explicam o caso. Procurado pela reportagem, Felipe não quis se posicionar, depois de sua assessoria negar os fatos.

Na madrugada de 9 de Agosto de 2014, Themis (aqui protegida por um pseudônimo), hoje com 27 anos, foi a uma festa que comemorava os jogos universitários das faculdades de arquitetura e urbanismo de São Paulo, chamados de InterFAU. Ao final do evento, ela e uma amiga, que chamaremos de Atena, aceitaram a carona oferecida por Felipe Antoniazzi Prior, à época aluno do curso de arquitetura da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Themis disse se encontrava “bastante alterada” na ocasião, pois havia consumido bebida alcóolica. Segundo ela, Felipe teria deixado Atena em casa e minutos depois parado o carro na rua e desligado o motor. Neste momento, teria se lançado sobre Themis e começado a beijá-la, passando a mão pelo seu corpo. Em seguida, a arrastou para o banco de trás do veículo.

Conforme depoimento que Themis concedeu às suas advogadas e presente na notitia criminis (protocolado no Departamento de Inquéritos do Fórum Central Criminal em 17 de março de 2020 pelas advogadas Maira Pinheiro e Juliana de Almeida Valente a fim de dar início a uma investigação criminal), ao qual Marie Claire teve acesso exclusivo, Felipe tirou a roupa dela e abriu a própria calça, deixando seu genital para fora. Devido à embriaguez, ela disse que não conseguia oferecer resistência física, mas que falou não a ele muitas vezes, deixando claro que não queria ter relações sexuais. Felipe teria reagido dirigindo-se a ela aos gritos, dizendo “para de ser fresca, no fundo você quer, não é hora de se fazer de difícil” e, diante das seguidas negativas de Themis, insistido : “quer sim”. Então, Felipe teria estuprado Themis.

Themis relatou que a violência do ato foi tamanha que causou uma laceração em seu lábio vaginal esquerdo, o que fez com que rapidamente sua roupa, o banco do carro e a roupa de Felipe ficassem esganguentados. Por causa da dor, começou a chorar. Isso teria feito Felipe parar, ela acredita. Como a quantidade de sangue era grande, ele perguntou se ela queria ser levada ao hospital. Themis respondeu que queria ir para casa e “mais nada”. Felipe assentiu, seguiu viagem, a deixou no portão de sua residência e foi embora.

Naquela mesma madrugada, Themis foi ao hospital acompanhada da mãe que pediu para ver o ferimento e notou “um corte de cerca de três dedos de comprimento na região genital, profundo o suficiente para chegar até o músculo”, como consta no documento. Precisou vestir uma fralda geriátrica para conter o sangramento e à mãe não quis dar detalhes do acontecido. No hospital, foi atendida por três médicas, para as quais também escondeu a violência que havia sofrido. Diante da pergunta de uma delas de “quem que fez isso?”, Themis falou que havia sido um namorado. Em casa, ficou uma semana de cama, precisando de ajuda para andar e ir ao banheiro. Diz que teve dificuldade de abordar o estupro nas tentativas de começar um tratamento psicoterápico. Conta ainda que cerca de um ano após o estupro, passou a vivenciar crises de pânico, e precisava de apoio para ir e voltar do trabalho, tinha crises de choro no meio da rua e não conseguia sair do lugar. Em vários desses momentos, tinha flashes do estupro.

Fonte: Marie Claire

1 comentário em “Acusações de estupro contra Felipe Prior”

  1. Tem uma parte mais pesada ainda! Mas não sei se é muito legal repostar pelo gatilho que isso pode gerar em algumas pessoas… Já odiava ele, agora sei o motivo…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *